Santa Catarina : empresário sta pusta na produsom de ananás na Djan Gagu.

Pedro Cabral Monteiro é um empresario e agrikultor de Santa Catarina ki sta pusta na kultivo de ananás e otus tipos de fruta, sima goiaba, mangue, limom e laranja na zona de “Djan Gagu” , na Rubera da Barka, koncelho de Santa Katarina. Ku txuba des ano, e sa ta spera ma ta ten bom produson de ananás.

produtor-ananas

Pedro Cabral Monteiro, tem 57 anu, é um ex emigrante ki ben de Suíça, ki volta pa Cabo Verde, dja tem 14 ano, pa bem inviste na país ki odjal ta naci.
Primero é abraça produsom de bloko pa konstrusom civil e dipos è fazi grogu ku marka Djangagu, e`produzi grogu ku kana kultivado na se txom. Inda na agrikultura, pa fazi diferença, é resolve pusta na kultiva fruta, nes kazo ananás e otus tipos de frutas.

Na konversa ku A NACÃO kel emprendedor li konta ki ideia de produzi ananás bem de um amiga, engenhera agronoma, ki disafial pe sprimenta planta es fruta.

” N aceita logo es desafio”, é ta lembra. “Na 2012, nkumpra 4200 plantas pa poi na txom ki na altura staba xeio de spinhera. Mas kes tres primeros anos kuza sirbi mas pa experiência. Por isso, resultados de produsom e lukro ka foi txeu, pamodi planta, na primero ano, ta mesti adapta a klima e txom pa kria, e só dipos komesa ta da”.

Pedro revela ma, de kes 4200 planta ke poi, na primero fase, so cerca de 1500 ke fika na um ladera, ki konsigue resiste e da fruto. Apesar de seka na 2014 ki teve influência negativo na produsom, n konsigue kodji algum kuantidade de ananás.

Es produsom sirbi pa nha konsumo, e da alguns amigos e inda n bendi pa 300$ kada kg, é dam um kolheita na bera de 70 mil eskudo”, é konta.

Mas pa es ano, ku txuba ki dja txobi,é sta ku fé.

“Djam sabeba, ma pusta na produsom de ananás é um investimento ki ta leba tempo, pamodi resultado nunka ka é logo. Es ano, ku txuba k kai tem mas chance di frutas da mas txeu ku mas pezo”.

Komparando ku ananás ki ta bem di fora, empresário garante ma kel ke ta produzi me muto mas doce e menos acido. ” Além de kela, é ta txiga na merkado mas fresco em relasom a kel ki ta bem de fora, já ki kel ta passa monte dia na barko ti ki txiga Cabo Verde, pa txiga li monte bes dizidratado”.

Animado ku txuba des ano, Pedro Cabral Monteiro fla ma dje sta ta pensa na aumenta área de kultivo, pamodi dje sta ku txeu planta, além de experiência ki dje teni goci. ” tem txeu prokura de ananás na merkado nacional e kuazi ninguém ka ta produzil. Futuramente, nsa ta kre produzi tudo terreno so de frutas na estufa, pa assi evita ki praga invade”.

MDR, um parceru

De akordo ku es entrevistado, nes se negocio, Ministério de Desenvolvimento Rural (MDR) tem sido um ” grande parceru”, ta bendel plantas, normalmente, na ” bom preço”. ” Na kazo de ananás, nu ta kumpra 50$ kada planta, ku instalasom de rede gota-a-gota foi kuazi um oferta. Recentemente, MDR Oferecem cerka de 300 planta de goiabera ki nsta poi na um terreno la de 4 hectares”.

Kuidados ki bu debi tem

De akordo ku Pedro Monteiro, produsom de ananás ka ta ixige txeu tratamento, mas ta mesti “Kuidados certo”, principalmente ku txom.

” Na início, pamodi nka sabeba, mas de metade de 4200 plantas npos na um terreno bastante “pezado”, tipo ” txom de massa pé, la kuazi nada ka da ; bom parte bai na txeia, pamodi plantado na um rubera, ou seja, só kes 1500 planta ki fika na ladera ki da resultado. Hoje, nao só sa ta produzi frutas, komo també dja sta txeu rabenta ki ta sirbi pa planta na otu lugar”.

Otus tipos de Frutas

Igual a produsom de ananás, Pedro pusta també na kultivo de mangue, laranja, limom, goiaba etc. Tudo es xplorasom é fetu ku base na tipos midjorado, ku recurso a alguns acessoria de MDR. Na total, Pedro Cabral Monteiro kultiva um área de 14 hectares de terreno, partido entre frutas e otu pa kana de açúcar e produtos de horta.

Em termos de posto de trabadjo, dje emprega, na Djan Gagu, fixo, sete chefe de família, e pa volta de 30 otus alguem temporario, konforme tempo de kultivo.

Home experiente, Monteiro akredita ma agrikultura, mas konkretamente agronegocios, tem um grande potencial na Cabo Verde. Sonho des empresario e bai mas longe.

Pekuaria, um otu aposta

Para lem de agrikultura de regadio, Pedro Cabral Monteiro é també um kriador de animal. É dono de cerka de 50 kabesa de gado , ki actualmente ta pasta na zona de Charcos e Txada Leti, Santa Catarina. Pa el na ano passadu grande preokupasom era falta de padja, hoje é pamodi kel roubo de animal pa mata e bendi karne klandistino ki sta dexal ku kredo na boka.

” Só nes ano, num kurto período de tempo, djam furtado 7 kabesa de animal grande. Tres baka e kuatu boi, de kes midjores ki ntinha na kural.
Apesar de da kexa na autoridade, te inda, Polícia ka pega kes ladrno, ‘” mas keli ka ta fazem disiste”, é fla.

Lei de grogu bem valoriza produto

Pedro Cabral Monteiro é produtor de grogu engarrafado ki txoma ” Djangago”, ki ta bendedu principalmente na Santiago. É fla ma kel novo lei ki bem li bem valoriza inda mas produto. Kenha ki sempre ta produzi grogu ku kualidade ka tem nada a perdi, pelo kontrario, bu ta odja finalmente bu trabadjo e bu esforço ta ser valorizado”.

Pa el sima staba ka podi kontinuaba . ” tinha kenha ki ta produziba grogu durante ano intero, sem kana, ku poku ou sem num kualidade e ta bendedu na kualker preço”.

E mas : ” nu sabe ma bom parte de konsumidores, sobretudo jovem, ta konsume álcool pa mokice, nem es ka ta importa ku kualidade mas sim ku preço e acessibilidade. Es ta prifire kumpra garrafinha pes bebi em vez de bom grogu, por isso hoje nu tem txeu debilitados pamodi keli”.

Uniko se não, na entender des produtor, é tempo ki Governo poi pa inicio de trapitxi. “Ku novo lei nu debi komesa produom a partir de 1 de janero te 31 de Maio;
Pessoalmente, nta defende ma devia ser a partir de Novembro, tempo em ki kana ta komesa ta flora, sinal ki dja sta madur, sendo keli tempo ki tem sempre mas agu. Spera te janero kana ta perdi txeu agu”, é konklui.

A Naçao